A união das águas

Mas antes, uma paisagem que derruba-me, independentemente das condições meteorológicas ou da hora do dia (ou da noite). Mesmo com a nebulosidade que paira rente à superfície, reduzindo em muito a visibilidade, este é um cenário que nunca me cansa a vista.
O mesmo cenário, outro enquadramento. Ao fundo, a freguesia do Porto Martins.
Vêem a baía com a água tenuemente acastanhada, quase no canto inferior? É a baía dos Salgueiros, uma zona balnear. Vamos descer até lá.

O castanho afinal não é assim tão ténue e vem da terra que a água arrasta ribeira abaixo, desaguando no mar.

Cá está a união entre a água “doce” e acastanhada da terra com a água salgada do mar.
Se tivesse levado um calçado apropriado, teria tentado explorar melhor este casamento aquático. Fica para a próxima oportunidade.

Bom fim-de-semana.
Anúncios

Publicado por

Miguel Bettencourt

Marido, pai, informático e entusiasta da fotografia. Corro, não só pelo prazer que a corrida me proporciona, mas sobretudo porque posso correr.

Uma opinião sobre “A união das águas”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s